Valsa – Associação onde se valsa e se abraça arte

Na Valsa “…oferecemos atividades culturais gratuitas para todos os públicos, num lugar esquisito, cheio de plantas, que mais parece um clube privado italiano do fim dos anos 70”

Em Lisboa nasceu uma nova Associação Cultural, a Valsa, no sítio da Penha de França! A fotografia das duas jovens sorridentes, com um o ar de quem, com boa disposição, está inspirado com a vida, é de Nuno Pinto Fernandes, para a revista Evasões e foi-nos cedida pela Associação Valsa.

Marina Oliveira e a amiga Mariana Serafim voaram de São Paulo para Portugal e lançaram-se neste projeto. Um espaço multifacetado que oferece bebidas e petiscos, mas também uma loja de livros e discos e uma agenda cultural mensal, onde se pode dançar a valsa e não só! Pode escutar discos, assistir a uma sessão de cinema, deliciar-se com todo o tipo de workshops realizados ali mesmo e ainda mais… Mas, nada melhor que as próprias, para nos darem nota de que, a inspiração surge em todas as idades, que os sonhos vividos devem ser partilhados para inspirar quem ainda não sabe que sonha. Todos juntos, somos melhores e podemos, em consciência, colocar os sonhos em evidência e ajudar na concretização da felicidade individual e coletiva.

Walt Disney afirmou “Se você consegue sonhar algo, consegue realizá-lo!”. Aqui fica o testemunho destas duas jovens na palavra escrita.

Leia, leve e inspire-se …. Realize e Valse!

 

valsa

 

Nós: Quem são a Marina Oliveira e a Mariana Serafim? Como se apresentam?

Valsa: Ambas nascemos em Santos, litoral de São Paulo e nos conhecemos/brincávamos juntas em encontros de amigos dos nossos pais, quando tínhamos por volta de 10 anos de idade. Alguns anos depois, nos reencontramos no conservatório de música (Marina estudando guitarra e Nika, como sou conhecida, baixo). Tivemos uma banda juntas por alguns anos e de aí por diante fizemos parte do mesmo grupo próximo de amigos. Marina estudou arquitetura, mas sempre trabalhou com urbanismo. Veio para Portugal fazer um mestrado em urbanismo sustentável. Nika é formada em hotelaria e teve a sua carreira construída nesta área, mas além disso também estudou Produção Musical e Produção Cultural.

Nós: Como nasceu esta associação cultural? Foi um sonho concretizado no imediato?

Valsa: Já em São Paulo, onde passamos a viver após o ingresso na universidade, realizamos alguns eventos, festas, feiras, vídeos, blog com outros amigos. O coletivo já tinha o nome VALSA. Seguimos nossos outros projetos e por coincidência, nesse momento da vida, nos reencontramos em Lisboa. Marina sempre quis fazer algo relacionado à alimentos e bebidas e Nika algo com cultura. Juntamos as vontades e criamos um lugar “físico” para o VALSA, que hibernou por alguns anos.

valsa_web_019

Nós: Como e porque o nome “Valsa”?

Valsa: A verdade é que não nos lembramos muito do momento da escolha do nome – nos tempos do coletivo. Mas Valsa é um substantivo feminino, curto, fácil, com um sentido artístico e cultural intrínseco, que remete à movimento entre outras coisas. Funciona. Não poderíamos escolher outro nome.

Nós: Quais as características diferenciadoras deste conceito e deste espaço?

Valsa: Não sei se isso de fato existe, já que ainda nem descobrimos o que somos. Posso dizer que oferecemos atividades culturais gratuitas para todos os públicos, num lugar esquisito, cheio de plantas, que mais parece um clube privado italiano do fim dos anos 70, com um snack-bar que serve petiscos simples, mas com bons produtos. Nos preocupamos muito com a representatividade, de mulheres, principalmente, e isso sempre está em pauta nas nossas decisões. Os preços também são justos, para bons produtos, mas para que todos possam ter acesso.

Nós: A localização do espaço foi alvo de algum estudo ou apenas aconteceu?

Valsa: Queríamos estar próximo do “fervo”, mas não dentro dele. Estamos perto da Graça, dos Anjos, do Intendente, bairros já conhecidos pela oferta cultural, mas não estamos necessariamente neles. A Penha de França ainda é um bairro residencial tradicional e valorizamos isso. Trazer alternativas culturais aos moradores do bairro. A escolha também veio no momento em que vimos essa montra gigantesca e conhecemos a vista “alternativa” do miradouro da Penha de França, que está a menos de 200 metros de nós.

Cópia de valsa_web_001 (3)

Nós: É um espaço com uma agenda cultural “viva”. Quais as áreas que se desenvolvem na Valsa?

Valsa: Não temos limites e estamos abertas ao que vier, se interessar a comunidade e não fomentar nenhum tipo de preconceito ou discriminação. Aqui trabalhamos com inclusão e senso coletivo! Faz quase 2 meses que abrimos. Até hoje, fizemos eventos de cinema, música, comida, poesia, tatuagem, cerveja, entre outros.

Nós: Quais as parcerias envolvidas neste projeto?

Valsa: Nossos maiores parceiros são: a mercearia Comida Independente, a Micropadaria e as editoras musicais Flur, Cafetra e Lovers & Lollypops e a cerveja MUSA. Mas temos outros mil parceiros que trabalham conosco nos eventos, na parte criativa, vendas, divulgação, programação etc.

Nós: Pode-se afirmar que este novo espaço é já um sucesso na praça lisboeta?

Valsa: Acho que ainda não. Mas tomara que em breve 🙂

Nós: Que tipo de petiscos os clientes podem saborear?

Valsa: Tábuas de queijos e enchidos e algumas tostas, com produtos de pequenos produtores portugueses. E Bebidas? Vinhos naturais, cervejas artesanais, café de torra clara da etiópia (método filtrado ou aeropress), chás finos, sumos etc.

Nós: Têm alguma preocupação específica quando adquirem e preparam os petiscos?

Valsa: Não sei se entendi a pergunta. Mas a nossa preocupação sempre foi trabalhar com produtores pequenos e com bons ingredientes, isso significa, com o processo mais artesanal possível.

Nós: Quais as vossas perspectivas futuras?

Valsa: Boa pergunta. Acho que sermos reconhecidas pelo que fazemos. E ser um lugar onde as pessoas querem vir sempre, seja para tomar um copo, trabalhar, participar de uma atividade, ler, ou simplesmente conviver.

 

Nós: Querem deixar algum apelo aos nossos leitores?

Valsa: Venham ao VALSA, que é para todo mundo!

 

valsa logo

Tel. 212495720
valsavalsou@gmail.com
Instagram | Facebook

 

Paulo Gaspar Ferreira e o projeto In-Libris

“O brilho que temos nos olhos vem-nos do prazer de transmitir aprendendo, desmultiplicando…”
In-Libris – “Este é um lugar onde habitam livros antigos e pessoas.”

Na senda da partilha de locais e experiências ímpares, apresentamos Paulo Gaspar Ferrieira e o projeto In-Libris

Sempre me deixei encantar por olhar as coisas belas. A In-Libris é o modo de as fazer. Do livro antigo à fotografia, da agricultura à escrita, da música à natureza, sempre cuidei de fazer o que vou sendo. Liberdade é o prazer de me encantar com as fazências que sempre alimento com a vontade aprender.

linhas curved-2721816__340

Nós: Fale-nos um pouco de si apresentando-se aos nossos leitores

Paulo Gaspar Ferreira: Sempre me deixei encantar por olhar as coisas belas. A In-Libris é o modo de as fazer. Do livro antigo à fotografia, da agricultura à escrita, da música à natureza, sempre cuidei de fazer o que vou sendo. Liberdade é o prazer de me encantar com as fazências que sempre alimento com a vontade aprender.

32853565_382092688957026_2727406483246415872_n (1)

Nós: Fale-nos um pouco sobre o projeto, como começou, como surgiu a ideia.

Paulo Gaspar Ferreira: A circunstância e alguma sorte me fizeram deparar com a possibilidade de adquirir uma velha oficina de encadernação do séc. XIX. Sem saber bem o que faria com ela não resisti dedicando-me de imediato ao seu transporte e instalação.

Percebi assim que esta também era a minha praia. A familiaridade que logo senti, transportando-me às antigas oficinas da Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis onde aprendi com grandes mestres alguns dos processos que compunham a “Divina Arte Negra” modernamente conhecida por Tipografia.

Percebi que a encadernação, em Portugal e salvo raras excepções, se tinha deixado “cristalizar” no séc XIX quando os velhos encadernadores preferiram fechar as suas oficinas à transmissão do conhecimento. Esta prática estendeu-se ao longo de todo o séc. XX tendo encerrado a encadernação num caminho sem grande inovação. Em Portugal contamos pelos dedos de uma ou duas mãos os encadernadores que inovaram técnicas e estéticas contemporâneas.  De uma forma geral, preferiram fechar o que sabiam em oficinas envelhecidas tendo-se dedicado a repetir indefinidamente o que tinham aprendido. Creio que este fenómeno se verifica apenas em Portugal, uma vez que tenho vindo a perceber que em todo o mundo existem expressões e técnicas contemporâneas ligadas a esta arte.

Curiosamente, penso que em nenhuma outra de entre as “Artes Decorativas” se verifica este fechamento. Pelo contrário, verifico que Portugal replicou de modo até muito exuberante no que diz respeito à resposta contemporânea no âmbito alargado dessas chamadas “Artes Decorativas”. São exemplos disto a ourivesaria, a cerâmica, o design de mobiliário, as tapeçarias, o design de moda… onde até estamos habituados a granjear um certo sucesso por esse mundo fora.

32873691_382092882290340_7157758789163155456_n

Nós: O facto de terem adquirido uma velha oficina de encadernação do séc XIX, contribui para a formação desse projeto ou foi o inverso? Ou seja, o facto de já terem em mente a promoção desta arte na expressão criativa contemporânea, levou-vos a procurarem um espaço com história?

Paulo Gaspar Ferreira: Como referi tratou-se, aqui, de uma circunstância promovida pela percepção do antigo proprietário que tinha vontade que este conjunto não se desmembrasse. Tinha reunido estas peças (máquinas e ferramentas) e gostaria de continuar a ver a sua oficina viva e em laboração. Um dia entrou em contacto comigo dizendo-me que só a In-Libris o poderia fazer. No princípio a minha reacção foi negativa. Afigurava-se-me uma outra frente de trabalhos. Ao fim de um ano de insistência, claudiquei. Na verdade tinha razão. “Esta oficina tem a sua cara”… e tinha.

 32974772_382092652290363_3133994273901379584_n

Nós: Numa época em que as tecnologias estão já naturalmente integradas no dia a dia de todos e em especial dos mais jovens, tem sido fácil encontrar jovens interessados em aprender esta arte que recorre ao conhecimento e a técnicas antigas?

Paulo Gaspar Ferreira: A instalação e familiarização tomou cerca de meio ano. Estamos agora a iniciar uma série de “Ateliers” com os quais pretendemos tomar o pulso à coisa. A adesão tem sido muito boa, com pessoas de diversas origens a querer aprender estas artes do livro. São jovens,  pessoas de idade, homens mulheres que pretendem adquirir conhecimentos vários acerca do universo do livro antigo. A casa onde mora esta oficina é uma livraria alfarrabista com mais de 20 anos de existência. O natural envolvimento dos nossos clientes constitui uma população muito diversa e interessada. São bibliófilos todos. Amantes de livros. Médicos, economistas, advogados, engenheiros mas também bibliotecários, arquivistas, conservadores, designers gráficos e fotógrafos aparecem por aqui. A ideia é abrir a “Officina”  à utilização destes e outros frequentadores. Pretendemos desenvolver ideias novas acerca da encadernação. Mais do que uma oficina de encadernação este lugar é um laboratório de ideias.

Claro que neste sentido os jovens têm aqui livre-trânsito. Queremos preservar saberes antigos transmitindo-os. Quanto mais jovens mais longe atiraremos a semente. Esta também é uma maneira de cuidar da cultura.

 

Nós:. Conforme transcrevemos de um texto vosso: “desenvolver aprendizagens próximas ao universo do livro, olhando-o no passado e trabalhando-o no presente, mas também projectando-o no futuro” é, com toda a certeza, um desafio.  Adequar as técnicas antigas utilizadas tradicionalmente nas artes gráficas com as novas tecnologias digitais é um desafio fácil de vencer?

Paulo Gaspar Ferreira: O mais difícil de conseguir é tornar esta ideia saudável do ponto de vista financeiro. No nosso entender a história da encadernação em Portugal tem mais de 100 anos de atraso. Seguramente não será difícil casar técnicas centenárias com tecnologia de ponta. Não se pretende, aqui, confundir conhecimento com soluções económicas, cultura com espectáculo. Queremos sim recuperar tempo perdido, experimentando, errando talvez.

Acreditamos na criatividade como forma de inventar o futuro.

Nós: Ainda é fácil encontrar pessoas que detêm o conhecimento das técnicas artesanais da arte da encadernação artesanal?

Paulo Gaspar Ferreira: Está a ser uma experiência surpreendente ir de encontro aos profissionais que viveram envoltos neste universo. Estão, na sua maior parte, reformados. Mostram-se ávidos por transmitir os segredos mais recônditos da sua profissão. Sabem, também eles, que um dia aprenderam à custa de muito errar, de muito suor, de muito querer. A sua generosidade revela-se, agora, na disponibilidade absoluta para transmitir esta espécie de legado. São eles que sabem que com clara de ovo e vinagre se produz o melhor mordente que o dourador pode ter. São eles que querem, connosco, fazer parte desta história.

32966759_382123118953983_8048151607507943424_n

Nós: Quais as principais dificuldades em levar por diante este projeto?

Paulo Gaspar Ferreira: Em tempo de eficácia a todo o preço, o mais difícil é sempre cultivar o espaço do erro. Nenhuma das ideias que fez avançar a humanidade foi impermeável ao engano, à falha.

Cultivamos hoje a devoção do correcto, da perfeição. Esta é a maior dificuldade que têm os fazeres criativos. Perderam o lugar da experimentação.

Sentimos também aqui a pressão da perfeição. Por isso construímos dois caminhos: O laboratório e a oficina. No laboratório experimentamos e erramos. Na oficina aplicamos o que sobra disto tudo: encadernamos por encomenda e ensinamos a coisa certa.

32921727_382092925623669_3147532586343989248_n (1)

Nós: Que desafios têm para um futuro breve?

Paulo Gaspar Ferreira: Inventamos desafios todos os dias. Por agora temos em curso uma campanha crowdfunding (https://ppl.com.pt/pernasprandar/in-libris) cujo objectivo é conseguir adquirir uma máquina de gravação laser que nos vai permitir desenvolver ideias inovadoras sobre técnicas e estéticas na arte da encadernação.

Num futuro menos breve gostaríamos de integrar esta experiência complementando a OFFICINA com um projecto de tipografia com caracteres móveis.

Nós: No vosso ponto de vista, de que forma, com este projeto, se incentiva o gosto pelos livros e pela leitura?

Paulo Gaspar Ferreira: Tudo o que se fizer será pouco para incentivar o gosto pelos livros.

Já pela leitura o mesmo se não poderá dizer. Infelizmente lê-se demais. Lê-se muito lixo, publica-se muito lixo e pouca literatura.  Provavelmente nunca se leu tanto na história da humanidade.

A questão está na cultura do saber em detrimento do culto do conhecimento. Virtualmente todos sabemos tudo em 3 segundos à distância de um polegar bem treinado. O problema é que poucos sabemos fazer seja o que for.

Restaurar livros antigos, perceber a sua arquitectura, cuidá-los na sua intimidade, como em qualquer arte fazente, lega-nos um capital de conhecimento, de verdade, de cumplicidade com a nossa própria essência.

Nós: Querem deixar alguma mensagem específica aos nossos leitores para que fiquem motivados a interagir com o vosso projeto, a deixarem fluir a inspiração artística, a gostar mais de livros e de leitura?

Paulo Gaspar Ferreira: A nossa casa é de portas abertas. Estamos aqui:

In-Libris
Rua do Carvalhido, 194
4250-101 porto
tel. & fax: ( + 351 ) 223 234 518
mobile: ( + 351 ) 91 999 15 97
mail: officina@in-libris.pt
web: http://www.in-libris.pt
https://www.facebook.com/in-libris-officina-360094241156871/

O brilho que temos nos olhos vem-nos do prazer de transmitir aprendendo, desmultiplicando…

Este é um lugar onde habitam livros antigos e pessoas.

Venham cá e voltamos a falar do assunto.

Paulo Gaspar Ferreira

 

“Silêncio na Era do Ruído”

«Não se trata de virar as costas ao que nos rodeia, mas de ver o mundo de uma forma mais clara».

Recentemente, li o livro de Erling Kagge – “Silêncio na Era do Ruído”. Um livro com uma escrita muito pessoal entre o meditativo e o prático, que nos envolve, nos prende a atenção com muita facilidade e nos leva a uma meditação que se prolonga muito para além da leitura. É um livro que recomendamos vivamente a todos os que buscam um crescimento interior e comprometido.

Erling Kagge, foi o primeiro homem a atingir, a pé, os “três polos–Polo Norte, Polo Sul e o Evereste”. Neste livro descreve os seus percursos pela Terra, as suas vivências e o encontro com o silêncio.

«Não se trata de virar as costas ao que nos rodeia, mas de ver o mundo de uma forma mais clara».

“Quando comecei a escrever o livro, estava a pensar no silêncio dos lugares sossegados. Mas depois fiquei mais interessado no silêncio interior, em nos conhecermos a nós próprios, em nos explorarmos a nós próprios. Esse silencio é diferente”.

Erling Kagge

divider-2461548__340

A experiência transmitida nas páginas deste livro fez-me parar para pensar sobre a importância do silêncio, principalmente nos dias de hoje que vivemos agitados, solicitados por inúmeros compromissos que nos chegam pelas várias vias que as tecnologias permitem, bombardeados com informações a todo o instante, perdidos no transito entre a casa o emprego e outros locais aos quais temos de nos deslocar, a que acrescem as responsabilidades familiares o tempo para os amigos pois somos seres sociais e, o tempo só para nós …

Com tanta agitação, é fácil esquecermo-nos da tarefa mais importante: cuidar de nós e explorar o nosso “eu” interior em harmonia com o que nos rodeia!

O mundo, em si mesmo, é dinâmico e, nós humanos, vivemos em constante transformação física e psíquica, atravessamos ciclos constituídos por crises económicas e financeiras. Como podemos aprender a chegar à tão desejada qualidade de vida, conseguindo a tranquilidade mesmo em meios e em tempos agitados em que vivemos?

Ficam aqui alguns excertos, para mim foram muito significativos, para que busque, aprenda e conheça a importância do silêncio. Começo por apresentar as três questões que são colocadas e que o podem guiar na sua reflexão:

  1. O que é o silêncio?
  2. Onde pode ser encontrado?
  3. Por que razão é mais importante do que nunca?

No livro, Erling Kagge, procura dar-nos as respostas com base na sua prática vivida.

Descreve as suas experiências enquanto explorador e aventureiro e fala-nos sobre a necessidade de estarmos em paz com nós próprios, da capacidade de nos interrogarmos que considera uma das formas mais puras de alegria, do luxo que é o silêncio um género de felicidade a que muita pouca gente tem acesso, de momentos que podem parecer eternidade, mas o mais importante “não é aquilo em que acredito, mas que cada um de nós descubra a sua própria vida.”

Silêncio

Livraria solidária em Carnide, Lisboa

A Livraria Solidária de Carnide “um lugar único e mágico” – É um projeto que visa promover a leitura e o livro, resultante da força de vontade e motivação, num trabalho desenvolvido muito à base de voluntários.

Um projeto ímpar que nos enche de orgulho e nos inspira para um crescimento constante no que são as preocupações com uma sociedade mais comprometida com o que nos rodeia, com os outros e com o ambiente.

Também nós, um grupo de 4 amigas, procuramos o crescimento individual e coletivo, acreditando que devemos caminhar num espírito de partilha. Queremos ser interventivas e, com o nosso blog, inspirar outras pessoas na busca de uma vida mais plena construindo uma sociedade mais equilibrada e em harmonia com o ambiente.

À conversa com Paulo Quaresma. Partilhamos a sua experiência inspiradora com a concretização do projeto Livraria Solidária e soubemos de projetos futuros.

library-3185061__340

Nós: O projeto nasceu de vontades coletivas. Como surgiu e se concretizou este sonho? Pode contar-nos um pouco desse “nascer”, dessa casa de livros?

PQ: A Livraria Solidária de Carnide é um projeto da Boutique da Cultura, uma associação cultural sem fins lucrativos com sede da freguesia. A esta ideia juntaram-se outras duas associações locais: Crescer a Cores e Azimute Radical e apresentámos o projeto ao programa BIP-ZIP da Câmara Municipal de Lisboa.

E assim demos vida a um imóvel, propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, situada numa das entradas do Centro Histórico de Carnide, mesmo em frente ao edifício sede da Junta de Freguesia e nas traseiras da Igreja da Luz.

Nós: Quais as circunstâncias que vos fizeram sentir que estava na hora de agir em prol de uma sociedade melhor? Porque uma livraria?

PQ: A Boutique da Cultura tem já quase 5 anos de uma atividade cultural regular e muito diversificada, apostado na promoção da Cultura como forma de incentivo à participação cidadã. E começámos exatamente com um projeto de leituras encenadas, BOA NOITE, que já conta com 5 anos de atividade.

A Livraria Solidária de Carnide surge como uma forma de promover a leitura e o livro.

28058648_1773926335979407_2521222218952296961_n

Nós: Com a inauguração no dia 23 de fevereiro, num edifício localizado na freguesia de Carnide, em Lisboa, quais as reações ao evento? Receberam de imediato donativos? Surgiram manifestações de pessoas interessadas numa participação ativa?

PQ: As reações superaram, e muito as nossas expectativas. Conseguimos abrir a Livraria com cerca de 7 mil títulos expostos e à venda e outros tantos em armazém. Temos livros novos ou já lidos doados por particulares ou instituições. A inauguração contou com a presença da vereadora da habitação e desenvolvimento local da Câmara Municipal de Lisboa e do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Assistiram cerca de duas centenas de pessoas.

Nós: Pelo que nos foi possível perceber através dos meios de comunicação social, o projeto demonstra uma vertente social, cultural mas também ambiental. Foi alguma destas vertentes ou estas e ainda outras, que estiveram na base do vosso projeto?

PQ: Sim, a vertente cultural e social. É mais uma forma de intervenção comunitária neste território. Para além de passarmos a disponibilizar livros a um preço muito acessível (de 1 a 5 euros) as receitas destas vendas revertem totalmente a favor de projetos culturais e sociais.

Nós: Um conceito inerente à Livraria é o preço acessível dos livros cuja receita reverte na íntegra para projetos culturais ou de desenvolvimento comunitário na freguesia. Já existe uma agenda cultural ou estão definidos projetos de desenvolvimento para o bem-estar social da comunidade onde atuam?

PQ: A Livraria Solidária está aberta a acolher iniciativas culturais como tertúlias, lançamentos de livros, horas de conto, workshops. Passará a estar aberta ao primeiro sábado de cada mês, das 14h30 às 19h30 com um conjunto de atividades para as famílias.

28167881_1773926742646033_8381706490509907499_n

Nós: Desde a formação da ideia, definição de um projeto e sua concretização, naturalmente, passaram por algumas dificuldades. Quais as principais dificuldades e contratempo que tiveram? Alguma vez pesaram em desistir ou as dificuldades surgem como desafios de crescimento, fortalecendo a vontade coletiva?

PQ: Não é fácil levar para a frente um projeto como este e sobretudo quando realizado à base do trabalho voluntário. Mas felizmente houve força de vontade e motivação suficiente para o concretizar. Foi um verdadeiro trabalho em equipa realizado por quase três dezenas de voluntários que ajudaram a recuperar o imóvel, a catalogar livros, a construir as prateleiras, etc.

Nós: Como conseguiram fazer afirmar a vossa ideia e obter a colaboração de outras instituições e apoio financeiro?

PQ: Aproveitámos a oportunidade do programa BIP-ZIP da Câmara Municipal de Lisboa e apresentámos uma candidatura que foi aprovada. E para o imóvel apresentámos a ideia à Santa Casa.

Nós: A Livraria Solidária é uma obra que pretende servir de “chapéu para um conjunto de outras atividades, de promoção de leitura e desenvolvimento local”, conforme anunciado na comunicação social. Pode-nos explicar como se propõem colocar em prática este desígnio e quais os projetos a desenvolver? Quais os conceitos que estão por base?

PQ: Com a abertura da Livraria Solidária outros projetos irão ter inicio como as Leituras ao domicilio a pessoas com mobilidade reduzida ou em risco de isolamento, assim como a criação de locais no espaço público para troca de livros. Por outro lado, uma vez por mês haverá um serão de contos em locais improváveis como lojas. Avançámos ainda com um prémio literário a decorrer até 31 de março. Iremos ainda avançar com um outro projeto social de aproveitamento dos livros em mau estado. Transformar o “lixo” em riqueza, envolvendo pessoas desempregadas.

Nós: Estando o vosso espaço localizado numa zona habitacional antiga, como está a ser a reação dos habitantes, dos outros organismos locais ao perceberem que o vosso projeto está a concretizar-se? Sentem que estão abertos à participação voluntária, à disponibilização de espaços para a concretização de ações de leitura?

PQ: Estamos a ser muito bem recebidos. Para a inauguração tivemos o cuidado de enviar uma carta a todos os vizinhos a dar-nos a conhecer e a convidá-los para a inauguração. E logo após a inauguração a zona ganhou vida e até… mais iluminação pública. Dois candeeiros públicos que há muito estavam avariados foram reparados.

Nós: Tendo em conta os vários projetos associados à Livraria, como é composto o “staff” da mesma, nomeadamente se têm pessoal qualificado ou foi necessário dar formação. Quem são os formadores também são voluntários? Que outros elementos compõem a equipa permanente?

PQ: O coletivo artístico de Boutique da Cultura é constituído por pessoas de diversas formações académicas. Quem está a coordenar esta área dos voluntários da Livraria é o João Borges de Oliveira, com formação na área e uma vasta experiência em trabalho em bibliotecas.

O funcionamento da Livraria Solidária é assegurada em permanência por voluntários, sendo dois deles ao abrigo do intercâmbio europeu, SVE. Um espanhol e um francês.

Nós: Foi fácil obter apoios de outras instituições e do Estado?

PQ: Nunca é fácil… Mas foi possível.

Nós: Já se conhece, através da comunicação social, o projeto “Leituras do domicílio”. Pode-nos explicar um pouco melhor como pretendem dinamizar, de que forma e como o pretendem fazer?

PQ: A ideia é levar a leitura e o livro a pessoas com mobilidade reduzida ou em risco de isolamento. Tivemos mais de 70 pessoas que se inscreveram como voluntários para este projeto. Já formámos os primeiros 25 que em breve irão para casa de pessoas sinalizadas por instituições locais. Irão estar… Irão ler para essas pessoas… Irão ouvir histórias…

Nós: Como podem os outros, contribuir para o vosso projeto? Podem oferecer livros, algum do seu tempo como voluntários? Qual é a melhor forma de contribuir?  Qual o site ou o email de contacto para questões relacionadas com voluntariado ou consulta dos livros disponibilizados, ou outras questões de índole diversa?

PQ: Estamos sempre disponíveis para receber doações de livros, excepto dicionários, enciclopédias e manuais escolares. Podem ser novos ou já lidos, em língua portuguesa ou estrangeira. Podem contactar-nos através do email livraria@boutiquedacultura.pt ou procurarem-nos no Facebook através da página da Boutique da Cultura.

A Livraria está aberta de 2ª a 6ª feira, das 14h30 às 19h30 e ao primeiro sábado de cada mês dentro do mesmo horário.

Nós: Será possível encontrar achados literários convidativos à descoberta da leitura?

PQ: Há livros muito antigos e de grande valor nas nossas prateleiras da Livraria.

Nós: “Um livro é a prova de que os homens são capazes de fazer magia”, Carl Sagan. A livraria solidária nasce para fazer e oferecer magia?

PQ: Claramente… Costumo dizer que Carnide “é um lugar único e mágico” e com esta Livraria tornou-se ainda mais mágica.

divider-36856__340