Aqui e Ali a natureza anuncia a primavera – Vila Nova Foz Côa

Em Vila Nova de Foz Côa aprecie um espetáculo em cor branca e rosa, com que a natureza nos brinda, as amendoeiras em flor!

Durante este mês de março, assistimos à renovação da natureza que anuncia a chegada da primavera!

Apreciamos o nosso país e sentimos que fazemos parte de um povo com uma cultura da qual nos orgulhamos. Vamos dar a conhecer as nossas experiências e incentivar os nossos leitores a comprovarem estas características únicas.

Neste artigo, falamos de um espetáculo em cor branca e rosa, com que a natureza nos brinda, as amendoeiras em flor!

Este espetáculo tão passageiro, pode ser apreciado em várias regiões do país, mas vamos focar-nos numa região onde a paisagem se impõe perante nós e nos faz sentir que, de facto, somos pequenos. As amendoeiras em flor, na região do Alto-Douro que, por si só, já nos surpreende em beleza ao longo dos vales do rio Douro e do rio Côa. Na região do Douro, existem múltiplos locais a visitar que se cobrem de cores diferentes de acordo com as estações do ano.

Vamos situar-nos no concelho de Vila Nova de Foz Côa, aconselhamos que não perca este espetáculo, programe já um fim de semana prolongado para que tenha tempo de se libertar do stress diário, para se deliciar com a natureza, com a gastronomia rica e saborosa da região e visitar locais onde a presença humana desde tempos muito remotos, se encontra documentada em gravuras rupestres.

A partir do Porto, escolha um dos vários percursos alternativos para chegar a Vila Nova de Foz Côa. Ao logo do caminho que escolher, aprecie a natureza e encante-se pelo património edificado existente desde castros, igrejas, capelas, solares, pontes romanas e outros. Encante-se pelo Pocinho, por Penedono e outras aldeias históricas como Castelo Rodrigo envolta de muralhas e flores de amendoeiras.  Para dar resposta à procura turística nesta época, são organizadas feiras e romarias onde pode observar e adquirir produtos artesanais numa variedade muito grande, como mantas, meias e gorros feitos de lã, uma variedade de enchidos, queijos e outros objetos e produtos da região. Não perca uma visita ao Museu do Côa onde para além de poder apreciar factos da história que mostram a presença e evolução do homem, pode também, apreciar a natureza que se expõe perante nós, a partir das janelas e terraço do museu.

Com o espírito em paz e em harmonia com a natureza, sinta o conforto de uma boa refeição confecionada com produtos da região, desde o pão centeio com azeitonas, peixes do rio fritos, até aos pratos de caça, acompanhando com um bom vinho do Douro, num dos vários restaurantes da região que, na sua maioria, são panorâmicos permitindo que continue a deliciar-se com a paisagem.

Conheça a lenda associada às Amendoeiras em Flor – “O que a princesa tem é saudade da neve!”

Se quiser inspirar-se na companhia de um bom vinho, veja aqui as sugestões no artigo Essência do Vinho, relaxe e divirta-se!

Para melhor programar a sua visita fique a conhecer mais no site da Câmara Municipal

 

Lenda das amendoeiras em flor

Amendoeiras em flor. Uma lenda, uma história de amor. “O que a princesa tem é saudade da neve! “

Conta a lenda que há muitos e muitos séculos, quando o Algarve ainda pertencia aos Árabes, reinava um belo e valente jovem Ibn-Almundim em Chelb, onde atualmente existe a cidade de Silves. Este jovem rei, o mais temido dos reis mouros do seu tempo, tomou-se de amores por uma bela rapariga Gilda, uma princesa Nórdica, que havia sido feita prisioneira numa das muitas batalhas.

Como acontece nestas histórias de amor, os dois jovens casaram e foram felizes nas terras algarvias onde residiam, durante muitos anos até que um dia, a bela princesa do Norte caiu doente sem que se conhecesse algum mal físico de que pudesse padecer. O rei mandou chamar os médicos mais famosos, mas nenhum conseguiu curar a sua amada. Um velho que havia sido feito prisioneiro com Gilda, também ele das terras do Norte, conhecido pelas suas capacidades de curar as doenças dos homens, pediu para ser recebido pelo desesperado rei e jurou-lhe que a princesa sofria de saudades da neve do seu país distante: “O que a princesa tem é saudade da neve!”.

O rei chamando todos os seus conselheiros procurou uma solução. A sábia solução encontrada foi a de plantar por todo o reino muitas amendoeiras, para que quando florissem, as suas brancas flores dessem à princesa a imagem da neve e ela ficaria curada da sua saudade. Logo o rei ordenou que, por todo o seu reino, se plantassem amendoeiras. Quando a primavera chegou e as amendoeiras floriram, o rei levou a sua amada até ao terraço do palácio. Gilda sente-se maravilhada ao deparar-se com o espetáculo branco das amendoeiras floridas, logo os seus olhos brilharam de alegria e a sua face ganha um tom rosado.  Todos os dias, enquanto as flores se mostravam em todo o seu esplendor, Gilda ia até ao terraço e ficava tempos perdidos olhando a brancura que se estendia por todo o horizonte, recordando as paisagens, brancas da neve, da sua terra natal, nunca mais se sentiu triste.

Após este acontecimento, o rei mouro e a princesa viveram felizes longos anos, esperando ansiosos, todos os anos, a chegada da primavera com o maravilhoso espetáculo das amendoeiras em flor.

Foi assim que em Portugal, surgiu o cultivo da amêndoa e, hoje em dia, temos amendoeiras em várias regiões para nos maravilharem com as suas flores primaveris.

20180303_160439