“Pés, para que os quero, se tenho asas para voar” – Frida Kahlo

“Pés, para que os quero, se tenho asas para voar” de Frida Kahlo

Mulher inspiradora que na sua época se fez notar pela força de vida que tinha em si, pela luta na defesa dos direitos das mulheres, tornando-se um símbolo do feminismo, pela exuberância na sua maneira de ser e na sua arte.

Frida Kahlo nasceu no México, viveu entre 1907 e 1954, conhecida pelos seus autoretratos de inspiração surrealista, pelas suas fotografias e também pelas roupas e enfeites coloridos. A doença surgiu desde cedo, com seis anos contraiu poliomielite, com 18 anos sofreu um acidente na sequência do qual veio a amputar uma perna.

Frida Kahlo uma mulher que constitui para todos nós independente da época em que vivemos, um exemplo singular de vida inspiradora, de caráter, de paixão e orgulho, de trabalho incansável e de resistência. Pintora e artista plástica por paixão, soube usar a arte para superar a dor e os constrangimentos físicos que sofreu, não permitindo que nada a diminuísse como pessoa.

Pode visualizar aqui um documentário sobre a vida desta mulher, de onde retirámos a foto publicada.

Colorir a vida sem prisões!

pavão

Por vezes, as circunstâncias em que crescemos e nos tornamos mulheres/homens fazem com que se goste, desde jovens, da leitura. Ao ler, podemos alhear-nos de tudo o mais, deixando-nos transportar para os cenários que os livros nos ditam. Desde jovem, que sentia que havia algo que não podia aprisionar em mim. Com o passar dos anos, julguei que o que em mim transbordava, não sei se de imaginação estimulada pelos livros, se de felicidade, se de amor ou de outra coisa que, algum psicólogo habilitado saiba classificar, iria abrandar e me iria aquietar. Constato o contrário, por vezes, sinto-me sem folgo quando, alheada de tudo o mais, observo a natureza, ouço uma música, ou algum acontecimento simples que revele sensibilidade e fraternidade por parte dos envolvidos e logo vem uma emoção que me faz alagar os olhos.

Que nada nos faça prender a locais, pessoas e circunstâncias com as quais não nos sentimos confortáveis. Nós, efetivamente somos viajantes, viajamos em nós próprios e movemos-nos em sintonia com a terra. Assim, nada é fixo tudo flui e se move, nada nos obriga a ficar presos num local, a pessoas ou a circunstâncias, podemos vaguear pelo espaço imenso que é o universo. Quando acontece sentir necessidade de sair, não por falta de resiliência, mas porque chegou o momento em que as palavras “Pés, para que os quero, se tenho asas para voar” de Frida Kahlo se aplicam na íntegra, então é altura de sair física e psicologicamente.

Há homens e mulheres que ao longo da história da humanidade vamos conhecendo pelo testemunho indelével das suas vidas e nos servem de suporte nos momentos nos quais sentimos que também, as forças querem viajar para fora de nós.

 

Autor: HUCILLUC

Aqui e Ali entre momentos festivos e caricatos, convive-se. Aqui e Ali sente-se, lê-se, leva-se tudo ou talvez nada!

2 opiniões sobre ““Pés, para que os quero, se tenho asas para voar” – Frida Kahlo”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.